domingo, 26 de fevereiro de 2017

E quem sabe: fazer chorar.

A ramela,
O que mostra que existe,
Mas não ajuda,
É trabalho,
Mas de baixa renda,
Escrever encomenda?
Não sei se entrego o pão que cê quê,
Não aposto o que cê quiser,
Mas o gosto pode ser amargo,
E um verso nunca foi um papo fiado,
Em trações e com traço afiado,
Tá provado,
Poesia pode matar,
Pode reproduzir,
Pode atingir,
Pode iludir,
Pode fuder, 
Pode transformar!
(...).
Sábio aquele dia
Que não queimamos nosso arsenal,
Não apoiamos e não pagamos pau,
Que nossas escolhas foram possíveis,
Às vezes vontades invisíveis
Mostram ganhos visíveis,
Veja só o mundo,
Ele não gira a minha volta,
Mas não quero que ele pare de girar,
Podendo preconizar que sou candidato
A primeira vaga pru paraíso,
Num lugar bem tranquilo
Pra poder trabalhar,
De lá perpetuar,
Aprimorar
A arte de fazer o inverso,
Escrever para Deus algo perverso,
Quem sabe: fazê-lo chorar.

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Contrato de sigilo

Se quer quem escreve o poema,
Você pode ganhar um problema,
Um escritor real é um ser sem Igual,
Um ser que si agride ao normal,
E agride o em torno do seu ser,
Em torno da cara da bobagem,
Fazendo você ler e arrefecer,
Aquecer, esquentar,
Falar Javanês,
Mover o que tem em pensamento!
Concretizar a punheta!
(...).
Quer ter um problema?
Transa com um poema que cê Gosta,
Faz pra ele uma proposta,
Pede pra ele nunca confessar.  

Esse negócio que se chama Deus

Não é de muita ajuda
Esse negócio que se chama Deus.
(...).
Cá na Terra atribuir o que eu faço,
Cada plano que eu traço?
Ser de um Senhor?
E assim morro
Servil ao meu imaginário de fé
Obedecendo um livro com tantos anos,
A Bíblia e seus danos,
Em distorção necropedófila incestuosa,
Com planos para tribos extintas!
Com decapitações,
Delações, machismos,
Um livro permeado por corrupções.
Tenho minhas opções,
E tenho meu livro sagrado ali na cama.
Qual meu livro religioso? Os Sertões,
O Gênesis da minha fé,
Com a palavra que traz a minha paz,
E o autor não me cobra dízimo.
(...).
Deus e a literatura ruim...
Essa engenharia social
Organiza esse mundo,
De como Deus me deixa de fora,
De como religiosos tratam poetas,
Sobre a expulsão
Dos poetas da república,
Do cuzão do Platão,
Fui no sarau dele,
Ele cagô pra nóis,
Mandô
Nóis pegá descenu.
(...).
Sobre rótulo que eu não preciso,
Sobre eu escrever e você não saber ler,
Sobre um tanto
De prática tática de manipulação,
Manipular população e seres frágeis:
O que se sugere
A mulher é uma boçalidade profunda,
Uma figura limpa, depois suja,
Uma publicidade pornô
Em prol do dono do curral,
O dono dos bois e das empresas de aço,
Com dinheiro ele faz o arregaço,
Um passo a passo de como fazer
Um monte de ganancioso pobre
Comer na mão,
Ter a real ação
De comprar
Alguém.
(...).
Deus em Gênesis
Produz que a treta
É da mulher que escuta a cobra,
E de morder pomos,
Mas pra mim
A cobra fez a proposta prus dois,
Nunca vimos o antes e o depois,
E eu também gosto de Maçã,
E se eu posso acreditar em Deus
E me instruir,
Eu posso no Livro de Sabino,
Louvar meu Grande Mentecapto.
(...).
Esse negócio que se chama Deus
Não é de tanta ajuda
Quando você Bitola,
Aliena,
Paga pau,
Gosta mais que lasanha,
Ultra religioso valoroso,
Deus acima de tudo,
Mas seu Deus está mudo...
Mas não lhe fala nada
Quando você
Faz esse comentário odioso?
Esse negócio de Deus podia repreender Mais seus preconceitos,
Mas como você acha
Que negro não é gente, exemplo,
Deus não existe pra mim.
Pra falar merda você não se acanha,
Tá doente, quer passar mau,
Uma síndrome de uma hética plena,
E sua sorte atola,
Vive nessa religiosa ebola,
Mas senta numa piroca e rebola,
Faz a fé de mola,
Compra uma pistola,
No mundo assola,
Ave Maria enquanto o cu esfola,
Quando você se ilude que bosta é bola,
Quando a gente acha
Que confiar 
Nos outros róla,
Quando você pensa que te ajuda
Esse negócio que se chama Deus. 

Jesus é meu namorado, a gente transa tão gostoso, mas ele tem nome bíblico

Jesus é meu namorado,
A gente transa tão gostoso,
Mas ele tem nome bíblico.
Ruim, pode ser Caim,
Judas,
Lucas,
Mas fico à vontade para ter com Jesus
Todo tipo de amor,
Jesus e eu,
Dois homens explodindo em tesão,
Jesus sempre me deu
Uma direção
E quando eu lhe ouvia,
Eu gozava.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Não quero saber de correção ortográfica

Cês me conhece não!
Inventa treta pra mim não,
Pergunta nada da minha vida,
E saiba que tenho defeitos,
E eles são educados,
Donde fico só na minha casa,
Se você me vê na rua,
Se eu conversar contigo:
Tô bem,
Afinal meus demônios eu cuido deles em Casa,
Meus vícios são cabaças à minha escolha,
Só não vou bater papo de droga,
Só não vão me ver de domingo a Domingo,
Aliás, 
Dentro da caverna eu nunca magoei Ninguém,
Não inventa treta onde não tem,
E se eu der merda um dia,
Vou ser uma notícia,
Mas não serei uma responsabilidade,
Escuto gente demais,
Eu me escuto,
Não coloco ninguém de luto,
Mas pra quem morre não fico sem Respeitar,
Sempre somos malabaristas financeiros,
Vegetarianos por corte em despesas de Cesta básica,
Comemos carne, mas estamos sem Comprar,
Temos N dívidas sem passar no ouvido
Das pessoas!  
O que precisa conhecer
Acredito que conheceu,
Inventar o que não sou?
E no fundo no fundo,
Não presume uma rota,
Não julgue saber meu perfil,
Sem meses ou anos?
Sem ganhar o título de mano?
Pensa então outra coisa de mim,
Pensa que a gente é bicho,
Sou mais que bicho,
Tô aqui ofertando um lixo,
Escrevendo e vivendo um nicho,
Mas longe da inveja vive meu valor,
Escritor e exame toxicológico?
Nesse roteiro previsto:
A lei do jacaré,
Oportunista e sangue frio,
Ele de dentro do rio,
Eu de dentro da caverna.
2 de março?
Vai acabar minha hibernação. 

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

O que Deus marca, Satanás dá like

Olhou quantos monstros consegui?
Eu posso fazê-los, magoá-los,
Posso pedir pra você sofrer,
Posso dedicar meu tempo ao que
Afia e faz rolar a merda toda,
Olha que tanto de coisa que não presta!
E tá tudo no meu bolso.
(...).
Olha que resposta ruim que eu posso dar,
Sou e posso competir no mundo da Grosseria,
Detesto algo todo dia,
Mas interesso pelo gozo,
Pelo repouso,
Pela gula,
A ira é inconsequência,
A inveja é um pecado burro,
A soberba explica a vida,
Explica não?
Olha quantos
Muros e quantos
Tijolos e telhas
E tudo do mundo
De recurso que você aplicou!
Olha o que a gente se tornou!
Elefantes Africanos nos quintais,
Estamos correndo nos temporais,
Os Para-raios estão nas mãos,
Podemos contrariar o demônio,
Quando sabemos onde comprar vida Extra,
Cê sabe que a gente não presta,
Somos aquele tipo de gente
Que muitos desejam o pior,
Mas somos sobreviventes a todas as Pragas,
Lambemos nossas chagas,
Não somos exemplo 
Pra nenhuma pessoa,
Somos gente boa,
Sejamos próximos,
Têm sete novos planetas
Que podem serem usados
Pr'eu lhe mandar ir pra lá
Se fuder!
Sabe que o que Deus marcar,
Satanás vai rapidamente curtir,
Com a nossa cara os dois vão cagar!
O máximo que os dois conseguir zoar,
Toda dia vão os dois competir
Pra ver qual, deles dois, vai nos iludir,
Mas é pra gente não desistir?
Troféu Jó pra quem suportar. 

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Alegria demais! Né?!

Até souberam quantos dias têm,
Souberam quantas vidas existem,
Somaram quantos livros 
De literatura leram,
Mais amores,
Calculou tudo,
Multiplicou pela alegria
E deu nada na soma.


Dá pra dá um dois

Tarefa das 16:20 cumprida,
Discografia do Beck revista,
Melhor música é Loser.
Pior frase pra se ouvir é:
Ó us homi.
Torcemos para manter nossa rotina
Sem prestar contas com a lei.
Já do que sei?
Sei de como funciona nada não,
Meu Mobral foi incompleto,
A camisa do meu time tem empresa
Que nem existe mais.
Pior frase do universo:
Teje preso.
Melhor frase do mundo:
Me chupa.
Melhor frase do mundo por grau de importância:
Seu dinheiro já caiu na sua conta.
É massa, mas não é italiana, que massa é essa?
É o chá.
Tem no teclado do note e serve para várias coisas, inclusive tranquiliza o software?
F1.

Nirvana Lilás ou Nem sei te falar com esse som tão alto

Que cada mão
Saiba encostar a pele...
J’appelle desejo,
Sua safadeza eu vejo,
Apresente intenções,
Não despreze inovações,
Saiba carícia, sacanagem e prenda,
Mostre seus trovejos,
Mostre seios e arpejos,
Aquela harmonia em seu sol maior,
Quero dar meu melhor, entenda...
Basta seu corpo aquecer,
E depois do incêndio
Meu corpo quebrar,
Porra nenhuma sobrar
E um encontro perto
De meia noite e quarenta
À meia noite e quarenta do outro dia,
E não é um dia de putaria,
É um dia pra esquecer
Que o mundo existe,
É que sem roupa nenhuma esquisitice
Tem força contra nossa alegrice,
Depois é só viver até no fundo,
Até no mais fundo fuder, fuder
Até mil orgasmos por segundo,
Até seu clitóris falar, cantar e elogiar,
Até nós deixarmos de sermos alguém,
Ter nome
Ou responsabilidade com alguma coisa,
Nirvana via transa,
Não sei o que é,
Não sei que horas começou,
Si dá treta ou não,
Mas notei que estou dentro de você.

Bom dia Bia Bonfá

Tia Bia!
O que vou fazer no carnaval?
Eu estava com saudade de você
E não lembrava que existia carnaval,
E como o financeiro anda mal,
As datas se perdem
Pra falta de grana,
Mas sem muito drama,
Sou meio besta pra carnaval,
Como também no natal,
Uma falta imensa de orçamento,
O dinheiro deu uma sumida,
Tô sem ver cédulas a uma pá de tempo e
Tem anos que o carnaval é um momento
Que eu não sei mais festar,
Beber, transar e drogar?
Acho que uma dessas três eu ainda sei fazer,
Mas Tia Bia,
Carnaval é inventar,
E eu não invento mais muita coisa não,
Só quê
Um bar eu vou marcar,
Beber e comemorar
Na data que a gente quiser,
Já não compro meu ingresso do baile,
Mas conheço bares que ainda posso pendurar,
E que o fiado seja abençoado e depois pago
Para nosso personal carnaval nunca acabar.
Bia, cadê você pra me contar as coisas?
Quê qui cê a show do livro do Mirisola?
Tenho que te passar mais alguns livros
Pra sua biblioteca!
Tia Bia, saudade do café,
Saudade de te ouvir,
Assim que puder,
Eu mando a cópia do livro seu:
“Bom Fá”,
Quinta sem ser nessa na outra
Vou adquirir 32,
Umas cervejas por minha conta,
7 litrão pra não ficar tonta,
Aviso você depois
Si vai dar certo.
Pra você muita alegria,
Valeuzão,
Tudo de bão,
Um abração!
Bom dia Bia!

Memória fraca

Não consigo lembrar!
Por favor:
Eu tentei me lembrar de você
O quanto pude,
Minha mente sem muita atitude,
Sua imagem sem completude,
Na punheta e sua finitude:
Eu preciso da imagem que me ilude,
É um trem sem virtude,
Mas manda aquele nude,
Deixa eu saber de seu corpo
Sem eu estar perto?
Ver seu sexo,
Sua juventude,
Seu ápice e longitude,
E não tem o que mude,
Quando quiser assumir ser
A pessoa mais linda da face da Terra
Nesse exato momento agora,
É uma alegria gigante, na tora!
Ver esse batom cor de amora!
Ver você sem roupa nenhuma!
No banho com espuma,
Nude produzido,
Nude aberto,
Nude escondido,
Nude do jeito que quiser!
Mas me dá um nude quando puder,
É que mais tarde eu preciso escrever,
Sempre bom te ver,
Ajuda expressar,
Pensa
Você nua de tesão
Em prol dos versos esquisitos,
Em apoio aos poemas estranhos,
Colaborando para erotismos surreais,
Um nude muito bonito,
Um nude mito,
Um nude atrevido,
Por favor:
Um nude pra salvar!   

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Apoiador


 Ajudei tanta gente morrer,
E assim que dizimei bairros,
E sim,
Eu obedeci ao que todos queriam,
Passei o tanto exato
De dinheiro
Que lhe faria morrer
Em seus vícios e crimes.
(...).
Ainda à pouco
A carne tremeu
Quando o que procedeu
Foi o eterno baculejo,
Corre no bar sertanejo,
E pelo que vejo
Vou fazer seu desejo,
E assim morrer porque trabalhou pra isso,
Já matei muitos em serviço,
Apoiei muitas mortes na preguiça,
Cachorro que nega linguiça?
Pau nele.
(...).
Entende que posso preparar
Seu pagamento,
A qualquer momento o depósito vai cair,
Você então já pode sorrir e sair,
Tem orçamento para totalmente se matar,
Quer apostar?
E se eu te desse uma moto?
Hoje você faz o que você quiser,
Hoje sua escolha foi morrer,
Eu não vou te esquecer,
Eu vou te pagar,
Tá marcado aqui
Na caderneta,
Agora pode fazer qualquer treta,
Pode comprar uma bereta,
Ou fazer recarga de celular.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Deu certo o que queria? Acho bão demais da conta.



Aqui na nossa face
Segredos mal informados,
Somos ocultos até algumas horas
Da madrugada,
Uma noite encorpada,
Na regra de viver agora
(...) 
Felizes amaldiçoados!
Quando você não comemora
E ele acha mó bom,
Mó desgraçado bom,
Não pede dinheiro,
Sabe como funciona
A boa linha de passe...
(...).
Entrou mais gente aqui,
Ele sentou pra subir,
Não foi possível repelir,
Foi possível aproximar,
Deixar tudo queimar,
Conscientizar que todos vão,
Ele vai e
Você não ficará de fora,
Um prontuário,
Várias chances infelizmente
Possíveis de ocorrer,
Uma noite a mercê
De você,
Dele,
E dela,
Um noite na viela,
Uma noite boa pra acontecer,
Naquilo que queria escolher,
No cinza do aquecer
O maior jeito de se mover!
Uma noite clara e amarela,
De uma noite que acaba no IML local,
Noite que não se repete,
Noite que não se repara,
Uma noite cara,
Uma pessoa que derrete,
Gente que morre sozinha,
Mas não divide químico com ninguém,
Foi amém sem passar mal!
(...)
Têm?
Nem tem bem o ter e
Fez ter o que nem bem tem,
Nem tem sem,
Nem tem bem,
Nem vem,
Tá sem,
Mais um amém?
Ninguém julgue nada!
Assim bem ele escolheu,
Ele não adormeceu,
Ele parou,
Ele comprou,
Ele descobriu,
Ele morreu,
Procedeu:
Do jeito maneira que quis!
Como sempre quis,
Como sempre falava feliz,
Que teria uma Miss,
De cachaça um chafariz,
E pelo fato primordial motriz:
Morrer de primeira classe!